Senhores passageiros, aqui fala o Comandante Leopoldo, e peço alguns instantes da sua atenção. Nossa destinação final é o Aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, onde chegaremos em pouco mais de duas horas. Nesse momento, estamos iniciando um procedimento de descida para um pouso inesperado em Barcelona, na Espanha, porque temos um passageiro que está precisando de cuidados imediatos, o que foi atestado por um dos senhores passageiros que é médico. O Aeroporto de Frankfurt foi alertado e os senhores passageiros com conexão imediata não perderão os seus vôos. Trata-se de motivo humanitário. Nossa equipe de terra está preparada para orientá-los quanto às conexões em Frankfurt, no próprio aeroporto, embora nossa estada no chão da capital catalã esteja prevista para um máximo de meia hora. Todos devem permanecer a bordo durante a estada; agradecendo sua compreensão alerto que não há qualquer motivo para preocupação. Pela sua atenção, obrigado.

Claro que não deve pairar dúvida. O médico a bordo era da própria companhia e se limitava a seguir ordens.

Depois de um clique, ainda se ouviu, nos alto-falantes do avião, um som ainda que abafado:

- Atenção tripulação, preparar para o pouso.

Em seguida, olhando pela janela lateral, Leopoldo comentou com Lopes, seu co-piloto:
- Parece até a Avenida Niemeyer, não parece?
- Lembra. Vagamente.

E pensou: mas que Rio de Janeiro, que nada...

O Comandante cruzou o través, virou na perna do vento, deu mais motor ainda e... bem, vamos pousar em Barcelona!

Olé!

Minutos antes - que na prática pareceram séculos - o Comandante Leopoldo fora procurado na cabina de comando pelo chefe de equipe, que tinha sido avisado de um incidente a bordo pela comissária Julia. Morena natural, linda, de cabelos sempre presos, em seus quase trinta anos e competentíssima profissional, Julia mal começara a servir o breakfast na Primeira Classe do MD-11. Filha de diplomatas, poliglota, socióloga pela Sorbonne, louca pelo Brasil, seu perfil profissional praticamente lhe garantia lugar na Primeira Classe para onde era quase sempre designada pelo chefe de equipe, para atender passageiros VIP. Um detalhe: Julia nasceu na moura Sevilha, onde seus pais estavam de férias à época; embora tenha sido trazida para o Brasil ainda no colo deles, ela diz que sente calafrios cada vez que o avião passa sobre a terra onde veio ao mundo.